Os recursos geológicos que estão na base da organização das sociedades industrializadas são as fontes energéticas – água, produtos minerais metálicos e não metálicos. Materiais como o vestuário, habitações, transportes, materiais informáticos são extraídos da Terra.
É notável a dependência dos recursos da Terra para a Humanidade. Com o passar e o desenvolvimento dos tempos, a relação entre o passado e o presente tornou-se diferente na medida em que, actualmente, se explora muito mais e melhor esses recursos do que antigamente.
Consequentemente, a utilização dos recursos nas sociedades humanas, a evolução e o aumento demográfico, conduziram a uma elevada exploração de mais e maiores quantidades de recursos.
O avanço tecnológico implica que o ser humano fique cada vez mais dependente dos recursos geológicos.

Ø Quais os principais recursos geológicos?
O petróleo (líquido) – óleo mineral do qual se extraem numerosas substâncias de valor económico muito importante; líquido obtido por destilação do petróleo natural, empregado como combustível – o carvão (sólido) – substância vegetal ou mineral obtido por meio de combustão da matéria orgânica – e o gás natural (gasoso) são os principais recursos geológicos.

Ø Quais os recursos que são renováveis e não renováveis?
Entende-se por recursos geológicos todos os bens de natureza geológica existentes na crusta terrestre passíveis de aproveitamento.
As substâncias de natureza geológica – sólida, líquida e gasosa – ou mesmo o calor geotérmico, podem classificar-se como recurso geológico. A utilização desses recursos depende da sua concentração na crusta terrestre de modo a permitir a rentabilidade da sua exploração.
Denomina-se reserva um recurso geológico conhecido que possa ser explorado, quer do ponto de vista legal, quer económico.
Relativamente aos recursos geológicos, estes são, geralmente, recursos não renováveis. Este tipo de recursos têm um processo de formação muito lento e, face ás diversas taxas de consumo, rapidamente se esgotam, não seno possível a sua renovação à escala da vida humana.

A água, por exemplo, como outro recurso geológico pode ser reposto a medida que é consumido, sendo, por isso, considerado um recurso renovável.
No caso das aguas subterrâneas, se estas forem utilizadas a um ritmo mais elevado do que a taxa de reposição, podem tornar-se um recurso não renovável.

Ø Que modificações podem advir nas sociedades perante a escassez de combustíveis fosseis?
Os combustíveis fósseis resultam de transformações da matéria orgânica e podem ocorrer na crusta terrestre sob três formas: petróleo bruto, carvão e gás natural.
Dada a morosidade dos processos que intervêm na sua génese, os combustíveis fósseis são assim considerados recursos não renováveis.
O uso intensivo e excessivo dos combustíveis fósseis contribui para o aumento de gases na atmosfera causadores do efeito de estufa, o que conduz a graves alterações climáticas.
A localização das diversas reservas dos combustíveis fósseis está concentrada em regiões restritas do planeta, o que tem conduzido a graves conflitos entre os vários. Agrava-se o facto destes países serem fortes poluidores e, por conseguinte, com fortes impactos na qualidade de vida das populações.
Actualmente, uma das grandes preocupações e ambições é encontrar outras fontes de energia alternativas aos combustíveis fosseis como por exemplo: a energia nuclear e as energias renováveis
- Energia nuclear («Um sonho ou um pesadelo?»)
Descoberta durante o século XX, a energia nuclear fez mudar a história da Humanidade. Inicialmente, este tipo de energia foi visto como uma grande e potencial fonte energética para o mundo. Contudo, a energia nuclear rapidamente foi associada ao fabrico de armas de destruição maciça com capacidade para liminar a civilização humana. A forma de obter energia a partir de minerais radioactivos é substancialmente diferente da que se utiliza com combustíveis fosseis. Assim, a energia libertada durante uma combustão provem das ligações químicas de compostos que os constituem.
A energia nuclear envolve mudanças dos núcleos atómicos dos materiais utilizados nessas reacções.
A produção de energia eléctrica envolvendo reacções nucleares tem sido muito discutida, uma vez que implica elevados custos ambientais, nomeadamente se ocorrerem acidentes nas centrais nucleares e também ao facto de os resíduos produzidos durante este processo serem altamente prejudiciais para a sobrevivência.
A utilização da energia nuclear (minerais radioactivos), se não for gerida de uma forma sustentada, conduzira ao seu rápido esgotamento, uma vez que a maior parte destes bens geológicos são recursos não renováveis.
Desta forma, as opiniões de opositores e defensores da energia nuclear como alternativa aos combustíveis fosseis dividem-se levantando serias polémicas.
- Energias renováveis: Energia geotérmica, energia eólica, energia hídrica.

Ø Qual a importância dos recursos minerais no nosso dia-a-dia?
Os recursos minerais são recursos em que se utilizam elementos químicos existentes na crusta terrestre. Apenas em zonas muito restritas do planeta podemos encontrar elementos químicos em concentrações superiores a da concentração média na crusta terrestre. Dá-se o nome de clarke a concentração média de um elemento químico na crusta terrestre. Assim, podemos considerar que num local existe um jazigo mineral quando a concentração media de um determinado elemento químico aí identificado e muito superior ao clarke desse elemento. Teremos um minério quando um mineral ou agregados de minerais sólido ocorre na natureza, com interesse económico e a partir do qual se pode obter um ou mais constituintes.
Os minerais resistentes que são transportados pela água, concentrando-se em certas zonas dos cursos de água, constituindo jazigos que se designam por placers.
Águas subterrâneas
http://www.infopedia.pt/$aguas-subterraneas

Reservatórios de água subterrânea – Aquíferos
Um aquífero é uma unidade geológica que contém água e que pode ceder em quantidades economicamente aproveitáveis.Também deve constituir uma unidade natural (rochas), cujo comportamento seja susceptível de ser simulado através de modelos numéricos, com o objectivo de apoiar tarefas de gestão, tanto qualitativa com quantitativa e cujas características de porosidade e de permeabilidade permitem que, em profundidade, possam acumular e libertar grandes quantidades de água.
Diferentes tipos de aquíferos:
Num aquífero cativo, a formação geológica onde a água que se acumula é limitada por duas camadas permeáveis.
Num aquífero livre, apenas a camada da base é impermeável, sendo a mais superficial impermeável.
A água que se encontra acumulada no aquífero livre está á mesma pressão que a pressão atmosférica, enquanto que no aquífero cativo a água encontra-se a uma superior à pressão atmosférica.
A recarga de um aquífero livre realiza-se através das camadas mais superficiais. Como no aquífero cativo a camada superior é impermeável, a recarga e efectuada lateralmente.